segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Relaxar e ser gentil.

Patriarca Moy Yat.



 Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, nos disse que certa vez perguntaram à meu Si Taai Gung, Patriarca Moy Yat:

- O que é ter alto nível de Kung Fu?

 A resposta surpreendeu aquela audiência: 

- É a capacidade de relaxar e ser gentil.

Por certo, não era esta a resposta que esperavam. Quando ouvimos falar de Kung Fu, o que vem imediatamente como uma imagem construída é de uma luta ou algo assim. A resposta que para aquela audiência certamente pareceu insólita, é na realidade a súmula daquilo que busco viver dentro da Família Kung Fu.



Si Fu caminha com Si Taai Gung Moy Yat.



O relaxamento é a melhor via de aumento de percepção. Alguém tenso não consegue estar atento o suficiente para compreender o cenário, avaliá-lo e dar uma resposta eficaz. 

Não se confunde relaxamento com distração, mas sim uma ausência ou redução de tensão, capaz de elevar a percepção, de não buscar manipular as circunstâncias, pelo contrário, se apoiar nelas, atuando em consonância com os acontecimentos. A chance de acerto com a leitura adequada das circunstâncias aumenta muito, e embora não seja uma certeza, fato é que uma leitura equivocada reduz e muito a chance de sucesso. 

Quando falamos em gentileza, falamos de uma relação com o outro. Traz a ideia de relação, conexão. A gentileza ocorre exatamente quando temos atenção cuidadosa para com o outro. É na atitude cuidadosa,  nos sentidos que cabem na palavra cuidado, seja o de cuidar ou de precaução. E quando cuidamos de forma atenta, chegamos ao que se chama zelo. 

O zelo é a condição não marcial para estar atento ao outro. Em um cenário de luta por exemplo, estar relaxado, ou seja, com baixo nível de tensão, permite uma leitura melhor das circunstâncias. Isso somado à gentileza, ao olhar cuidadoso para com o outro, para os sinais que a outra pessoa nos envia, faz tudo ficar mais perceptível. Não tem haver com ser bonzinho, e sim em estar aberto à leitura daquilo que o cenário e o outro inserido nele, oferecem, e atuar a partir daí. A vitória muitas vezes não vem unicamente de nosso esforço, mas de um cenário que requer leitura, e de alguém que nos oferta esta mesma vitória através de suas próprias atitudes. Não cabe aí nenhum tipo de manipulação ou esforço extra, afinal, se estou relaxado, consigo perceber o que a minha volta me favorece, e como a gentileza é relacional, esta postura me oferece a forma adequada de agir com o outro, através daquilo que o outro me oferta. 



Eu recebendo meu broche de Discípulo das mãos do meu Si Fu. 



segunda-feira, 5 de outubro de 2020

As várias faces da guarda.

 

Si Fu nos orientando durante a sessão de Baat Jaam Do ( 八斬刀).

Ouvimos hoje de nosso Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, sobre um excelente exercício para ajudar a controlar a ansiedade: ficar em guarda. 

Durante toda a minha trajetória dentro do Sistema Ving Tsun, sempre ouvi considerações sobre a máxima "relaxar na crise". Confesso que esta sentença nunca fez tanto sentido para mim como faz agora. No cenário de prática do Nível Baat Jaam Do (  八斬刀) você está segurando duas facas, que na realidade são metades de uma única, com desdobramentos que personificam um só movimento, sempre com a intenção de avançar, sofrendo variações porque algo que você precisa compreender para dar sentido a cada um dos desdobramentos e conectá-los em todo harmônico, impediu que os movimentos fossem desferidos todos com a intenção de disparo para frente. Desta forma, estar ou não em guarda o tempo todo, em todos os movimentos, fará a diferença entre praticar este Nível ou apenas reproduzir uma coreografia com facas nas mãos. 

O manuseio de armas, simboliza a morte e o cenário que se desdobra com a prática, fala em matar ou morrer o tempo todo, e aí o relaxamento para poder manter a intenção de guarda em todas as variações de movimentos executados com as facas, é um grande e necessário desafio para a compreensão deste Nível.

Entender a guarda como o estado de atenção, pronto para o disparo imediato o tempo todo e a qualquer momento, e estudar as deformações provocadas na guarda, é compreender o que ocorreu dentro de cenários que apontam para estas variações.

 O estudo das possibilidades que conduzem às várias faces da guarda, eleva a percepção, e sem dúvida,  ajuda a controlar a ansiedade, estimulando o praticante de Ving Tsun à se libertar de regras, fazendo da sensibilidade sua capacidade de sintetizar as ações, para adiante, apenas revisitar as listagens do Sistema, sem depender mais dele. 



sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Conviver Kung Fu.

 

                            Eu e meu irmão Kung Fu, Diretor do Núcleo Ipanema, Cláudio Teixeira.


Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho nos diz: "a diferença entre uma Família de sangue e uma Família Kung Fu, é que a primeira não escolhemos, a segunda sim." E esta escolha implica em algumas consequências sobre a nossa capacidade de refinar as formas de convivência, respeito e companheirismo, que desenvolvemos dentro de um Mo Gun (Casa de Guerra), praticando dentro de um  cenário de crise, despertando para a importância que há em crescermos juntos.

No dia de ontem, estive visitando o Núcleo Ipanema, e no final de um dia muito produtivo, eu e meu irmão Cláudio Teixeira, diretor do Núcleo, estudamos o Da Hung Jong (樁).Esta troca, além de muito profícua, personifica o espírito do Clã Jo Lei Ou, que é o de seguirmos juntos.

Dentro de uma Família Kung Fu, quebramos paradigmas sociais que apontam para a competição e superação do outro. O que nós construímos é o aprendizado contínuo através do zelo, nos dedicando ao nosso desenvolvimento também através da transmissão, gerando o refinamento do Kung Fu de outras pessoas.  Meu Kung Fu melhora quando desperto para a importância em apoiar a construção do Kung Fu de todos, transmitindo aquilo que adquiri de conhecimento como praticante, porém de modo algum vendendo "verdades", sempre respeitando a busca de cada um, apenas apoiando através do que aprendi,  sendo só mais um em uma rede fraterna para crescimento individual, resultando o proveito coletivo.

Nos finais de semana, com mesmo espírito, visito outra unidade: O Núcleo Méier, que tem como Líder meu Si Hing, Mestre Qualificado Thiago Pereira, que vem me ajudando a refinar meu processo dentro do Nível que estou iniciando, o Baat Jaam Do (  刀).

Da minha parte, à toda visita procuro apoiar os trabalhos lá realizados com os praticantes mais novos, e assim vamos nos apoiando e crescendo juntos. 

A Família Kung Fu é um laboratório para estabelecermos relações mais fraternas, dentro de um Mundo que parece ter crescido em tecnologia, e se aviltado no quesito humanidade. 


                                            Eu e meu irmão Kung Fu, Si Hing Thiago Pereira.