domingo, 13 de outubro de 2019

Integrar.



Foto Oficial do Evento de Apresentação do Programa Fundamental à Líderes de Famílias Kung Fu.





Na terça feira passada, meu Si Fu, Mestre Senior Júlio Camacho, recebeu no Mo Gun Sede do Clã Moy Jo Lei Ou, situado no bairro da Barra da Tijuca, dois de seus irmãos Kung Fu: os Mestres Seniores pela Moy Yat Ving Tsun Martial Inteligence, Ricardo Queiroz e Úrsula Lima.
Durante a visita, Si Fu apresentou aos seus irmãos Kung Fu as bases do Programa Fundamental, que é um Projeto desenvolvido por ele e seus Discípulos, que tem a finalidade de apresentar em três ciclos, os fundamentos do Sistema Ving Tsun.






Si Fu fala sobre as bases do Programa Fundamental, observado por minha Si Mo, senhora Márcia Moura, ao lado do Mestre Senior, Líder da Família Moy Ke Lo Si, Ricardo Queiroz. Sentada está a Mestra Senior Úrsula Lima, Líder da Família Moy Lin Mah.





A pedido da Si Sok Úrsula Lima, a apresentação foi feita por um dos Discípulos de meu Si Fu, e o escalado foi o Diretor do Núcleo Barra da Tijuca, André Guerra.
Meu Si Fu sempre foi um elo de integração dos Núcleos no Rio de Janeiro. Si Hing de todos os Mestres da Moy Yat Ving Tsun fluminense, sempre dividiu generosamente seus Projetos e ofereceu apoio ao trabalho de todos os Núcleos de todas as Famílias Kung Fu.
Si Fu gosta muito da palavra integrar, que além de remeter à ideia daquilo que é íntegro, aponta para o sentido de um grupo que segue junto.






André Guerra apresenta listagem do Programa Fundamental.





Minha Si Sok Úrsula Lima lembrou aos presentes o quanto meu Si Fu representa para o Ving Tsun do Rio de Janeiro, lembrando a colaboração que recebeu em sua própria formação. Si Sok Ricardo Queiroz falou do intercâmbio que há, através de conversas e dicas que ele dá ao nosso Diretor do Núcleo Barra da Tijuca, André Guerra.
Depois da prática, que contou com diversos Discípulos e Membros Ativos, os presentes apresentaram suas impressões sobre a prática.
Com a organização e cuidado da parte administrativa, realizado por Guilherme de Farias, e a parte prática, coordenada por André Guerra, o Evento foi um sucesso, alcançando seu objetivo de apresentar o projeto do Programa Fundamental, além de realizar algo muito querido por meu Si Fu: a integração.





Eu ao lado dos Si Sok Úrsula Lima, Líder da Família Moy Lin Mah e Ricardo Queiroz, Líder da Família Moy Ke Lo Si.





domingo, 6 de outubro de 2019

Um Dia Histórico.



Eu recebendo do Si Fu a joia de Discípulo, símbolo de nosso Clã.





Seria um sábado como todos os outros de prática no Núcleo Barra da Tijuca. Chegamos, preparamos o Mo Gun para as atividades do dia. Durante nosso café da manhã, Si Fu fez comunicados importantes para nós. Um deles foi particularmente especial para nosso irmão Kung Fu Carlos Antônio de Oliveira: Si Fu disse que nossa Si Mo, senhora Márcia Moura já o observava como possível futuro Discípulo. Naquela manhã, Si Fu o convidou para iniciar seu processo discipular. Carlos aceitou, convidando nosso irmão Kung Fu, André Guerra para ser seu orientador.
O dia estava só começando e um novo capítulo deste dia histórico seria escrito. Sua primeira página  na realidade, foi escrita dias antes, para ser mais específico, na quinta feira dia 3 de outubro, com a entrega da primeira joia em formato de broche do Clã Moy Jo Lei Ou ao nosso irmão Kung Fu, Membro Regular, atualmente no nível intermediário do Sistema Ving Tsun (Cham Kiu), Clayton Quintino.






Fotos Históricas: Clayton Quintino recebe das mãos de nosso Si Fu, o primeiro broche do Clã Jo Lei Ou, um de nossos símbolos de legitimidade. 





É uma joia é utilizada em momentos especiais. O grande Clã Moy Yat Sang, liderado por nosso Si Gung, Leo Imamura faz uso do broche (ou em inglês: pin, como é chamado no Grande Clã) em Cerimônias. Seguindo a tradição, meu Si Fu idealizou uma joia que simbolizasse o espírito de seu próprio Clã, criando o broche da Família Moy Jo Lei Ou, que será usado por nós, em Eventos Especiais, junto com o do Clã Moy Yat Sang, representando nossa geração, e a geração imediatamente acima da nossa.
 No sábado, Si Fu anunciou aos presentes que nossos broches estavam prontos e seriam entregues por ele, a cada um de nós, naquele mesmo dia.
Uma joia sempre carrega em si um símbolo. Todo o símbolo, vem carregado de uma mensagem, de uma ideia, de uma singularidade. E tudo isto está inserido no broche do Clã Jo Lei Ou.
Ao explicar o formato em pétalas sobrepostas, onde uma apoia a outra, Si Fu nos falou sobre integração, onde todos são importantes e ninguém se sobressai a ninguém. Girando o broche, ele sempre se apresenta da mesma forma, símbolo de nossa unidade.
O broche de prata é usado pelo membro que ainda não se tornou Discípulo, como é o caso de nosso irmão Kung Fu que foi o primeiro a receber, Clayton Quintino. Uma bela joia, que reflete no seu prateado o frescor de uma relação ainda jovial, com grande potencial para crescer. O broche dourado marca a relação discipular, que é para sempre, sua cor representa a coroação de uma relação que está madura, que já tem uma História, e que exatamente por esta razão, deve ser ainda mais próxima e sólida com Si Fu.
O vermelho na China simboliza a sorte. O broche do Discípulo que já é Mestre, é dourado com a parte interna das pétalas em vermelho. Como um Mestre já pode ter sua própria Família Kung Fu, no vermelho está o desejo de boa sorte de nosso Si Fu, para seu Discípulo na nova jornada, seja como líder de Família, seja em qualquer outra atividade que venha desenvolver com mais autonomia.
E mais tarde, encerrado o café como também o primeiro momento programado de práticas, Si Fu entregou pessoalmente nossos broches. Foi um momento muito especial: além de estar entre os irmãos Kung Fu que naquele grupo receberam das mãos do Si Fu, ( no meu caso o broche de Discípulo) pude ouvir dele, o que representava aquele momento como um marco da relação Si-To com cada um de nós, através da entrega deste símbolo de legitimidade do Clã Moy Jo Lei Ou.







As joias símbolos do nosso Clã: Prata (Membros Ativos) Ouro (Discípulos) e Ouro com Vermelho (Mestres). O detalhe do estojo em preto da joia dos Membros Ativos, simbolizando a receptividade com que são acolhidos os Membros mais novos.





E as entregas começaram pelo convidado ao processo de Discipulado, nosso irmão mais jovem de Kung Fu presente naquele sábado, Carlos Antônio de Oliveira, atualmente praticante do Programa Experencial. Ele estava acompanhado de suas filhas, Anabel e Arya e foi o primeiro de nosso grupo a receber a joia, e Si Fu também agraciou suas duas filhas.
  Si Fu falou para Carlos que a relação discipular é para sempre, é um casamento onde não existe divórcio. É uma relação forte, resistente e persistente, no sentido de que não se dobra à força do tempo, pelo contrário, a ele se alia, junto a ele se protrai. É como o Si Fu sempre diz: "que nossa relação seja longa".






Nosso irmão Kung Fu, Carlos Antônio de Oliveira e suas filhas Anabel (de azul) e Arya (de vermelho).  





Cristiano Oliveira foi daquele grupo que praticou junto naquela manhã, o segundo a receber sua joia.  Ele é Membro Ativo e atualmente praticante do Nível Experencial, após receber seu broche prata, eu disse a ele o quanto é auspicioso, receber este símbolo de legitimidade, e ter a oportunidade de receber todos das mãos do Si Fu, por toda a trajetória dentro do Sistema Ving Tsun.





Cristiano Oliveira recebe seu broches das mãos do Si Fu.






Depois foi entregue a joia dourada de Discípulo à Marcelo Firmino. Si Fu expressou sua alegria naquele momento e disse ao seu Discípulo sobre seu desejo de estarem a cada dia mais próximos. Marcelo mora em Itaguaí, e já demonstrou o desejo de levar um dia a prática do Ving Tsun para àquele Município fluminense.





Marcelo Firmino recebe sua joia das mãos de Si Fu. Desejo de mais proximidade com seu Si Fu.






Em um terceiro momento, uma entrega dupla. Eu e meu irmão Kung Fu Clayton Meireles, recebemos ao mesmo tempo nossas joias. Uma razão muito especial: Si Fu confiou à nós dois a participação no Projeto que levará a Moy Yat Ving Tsun Martial Inteligence ao bairro da Tijuca. Desejoso que eu e meu irmão estejamos juntos em prol deste importante passo para o desenvolvimento do Ving Tsun no Rio de Janeiro, recebemos nossos broches juntos como símbolo desta união.





Si Fu fala a mim e a Clayton Meireles sobre a importância de caminharmos juntos, no crescimento do Clã no Rio de Janeiro.





Mais uma entrega dupla: desta vez Thiago Silva e Guilherme de Farias recebem suas joias. Emocionado, Si Fu falou que tem um desejo em relação a estes seus dois Discípulos. Não verbalizou qual desejo é. Nem precisava: tanto Thiago e Guilherme, quanto os presentes, sabiam que estes dois irmãos Kung Fu, com colaborações tão especiais na Direção do Núcleo Barra, com uma história tão rica ao lado de nosso Si Fu, e estando ambos no último nível do Sistema Ving Tsun, tem do Si Fu o desejo, e particularmente de mim a torcida, de que em breve completem o Sistema, tornem-se Mestres, e em breve recebam o que de mais singular e auspicioso tem no broche dos Mestres formados por meu Si Fu: O vermelho chinês, o desejo de boa sorte!





Guilherme de Farias (esquerda) e Thiago Silva (direita). Membros do Nível Superior Final (Baat Jaam Do) e o desejo do Si Fu de que ambos em breve, completem o Sistema se tornando Mestres de Ving Tsun.




domingo, 29 de setembro de 2019

Chung Chi.

André Guerra e Marcos Leiras praticam Chi Sao. Importância do Chung Chi nesta prática.




Para alcançarmos os nossos objetivos, é essencial que tenhamos foco, e que aqueles venham acompanhados de ações para que nossos projetos se concretizem. Não raro, a realização daquilo que desejamos demanda algo além de esforço; demanda tempo. Desta forma, a energia que colocamos em prol da realização dos nossos objetivos, precisa se manter constante, até que aquilo que desejamos, seja alcançado.
Não raro, a frustração em não alcançar o objetivo traçado, reside no fato de que a energia que deveria se manter até o resultado final, se enfraquece ou mesmo deixa de existir antes que alcancemos aquilo que desejamos. 
O que o Kung Fu tem a nos dizer sobre isto?
Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, nos fala da importância em mantermos o Chung Chi. É uma energia constante movida para frente durante um exercício chamado Toei Ma (mover cavalo), onde deslocamos nosso companheiro de prática, ou ele nos desloca, com a energia liberada.
O movimento para frente realizado através do Chung Chi nos leva a refletir sobre a importância do comprometimento de nossa ação, com energia constante, na direção de um objetivo.





Roberto Viana e Luiz Matheus. Prática Núcleo Barra.





 Assim como vencemos a estrutura do outro ao movê-lo, também podemos ser movidos por seu Chung Chi. É um interessante laboratório para a vida, afinal nada vem "de mão beijada" sempre haverá uma energia contraposta à nossa, um desafio a ser vencido, e como o Kung Fu é um processo de desenvolvimento humano, a compreensão e a capacidade de manter o Chung Chi em todas as áreas da vida, é de fundamental importância para a busca de melhores resultados. 
Havendo um objetivo a se alcançar, seja ele qual for, quando nos movermos em sua direção com Chung Chi, temos muito mais chance de realizá-lo. 





Si Fu nos fala sobre as ações que devem ser colocadas em prática  em nosso Clã.

domingo, 22 de setembro de 2019

Detalhes.


Meu Si Fu lê minha Carta de Requerimento ao Discipulado durante meu Baai Si.



O Ving Tsun é um Sistema de Kung Fu que não privilegia a força, muito pelo contrário. O uso exagerado dela, é na realidade algo que não favorece, na realidade até atrapalha.
É um Sistema de Kung Fu que não depende de jovialidade ou de muito vigor físico. Sua excelência está na capacidade de compreensão através do trabalho de sensibilidade na percepção do oponente, (emprego aqui no sentido de oposto, não de rival), como também no estudo apurado de cada movimento, de aparente simples execução, porém rico nas etapas de seu desdobramento.
O Ving Tsun possui detalhes, e eles são reveladores para além de um refinamento técnico, que também ocorre. Durante o desenvolvimento do praticante, ele aumenta a potência de sua lente sobre si mesmo, é um encontro, uma descoberta, potenciais e limites são apresentados e experimenta-se a revelação da própria imagem, como em um espelho.




Minha Admissão na Família Kung Fu.


A prática dentro do Mo Gun entrega ao praticante cenários diversos, sendo sempre necessário lançar sobre eles uma "lente Kung Fu"para retirar-se de cada um deles o melhor proveito.
Estes detalhes "escondidos" na prática de Ving Tsun, mostram na maioria das vezes, que tentamos encontrar respostas mirabolantes quando poderíamos ser mais eficazes com respostas mais simples e diretas. O pensamento Ocidental difere muito do pensamento clássico chinês neste ponto: enquanto o corrente pensamento ocidental cria regras e fórmulas para buscar resolver os mais diversos assuntos, estudos de auto ajuda e demais técnicas, o pensamento clássico chinês entra em simbiose com todo e qualquer cenário que apareça, não nega ou reage negativamente contra o que ocorre. Ele observa o cenário e apoia-se nele, para encontrar o resultado mais favorável. Este resultado, não será "criado" através de uma "fórmula mágica", ele será favorável porque o potencial que a situação oferece foi observado e nele se atuou. No Ving Tsun o pensamento clássico chinês é desenvolvido através de nossas práticas dentro de um Sistema que não se prende apenas à técnica, o que seria observar apenas a superfície. No Ving Tsun, buscamos também a percepção dos detalhes.






Foto Oficial de meu ingresso na Família Kung Fu.

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Os elos da corrente.


O Kung Fu como o elo que une três gerações de Mestres de Ving Tsun: Si Taai Gung Moy Yat, (foto no quadro) Si Gung Leo Imamura e meu Si Fu, Julio Camacho.


Em um de nossos encontros, ouvi de um irmão Kung Fu uma pergunta dirigida ao nosso Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, sobre o porquê de muitas vezes, valorizamos tanto pessoas de gerações anteriores à nossa, pessoas estas que sequer conhecemos pessoalmente, sequer temos algum nível de convívio. Si Fu ensinou aos presentes sobre a importância que há neste zelo, com o exemplo dos elos da corrente.


Si Fu abraça seu Discípulo de número 1, Leonardo Reis, por ocasião de seu Aniversário. 


Ele nos disse que por mais forte que sejam os elos de uma corrente, basta que apenas um seja frágil o suficiente para romper-se quando posto à prova diante do peso, para que toda a corrente se rompa.
É de fundamental importância para o praticante de Kung Fu compreender que ele como To Dai deve zelar por seu Si Fu. É uma relação humana onde o cuidado deve ser mútuo, afinal, seu Si Fu zela por você, nada mais natural a reciprocidade sincera de seu Discípulo. Eu escolhi a palavra sincera, não por acaso: nela repousa uma ideia de que algo está sendo espontâneo, de coração e além disso, com base na confiança mútua.



Si Fu e eu em uma foto após jantar  no bairro do Méier. 



É da relação de confiança entre o Si Fu e To Dai, que brota o fortalecimento dos elos da corrente. Afinal seu Si Fu também tem um Si Fu e igualmente zela por ele, e assim por diante. De modo que quando uma geração zela pela outra, os laços se estreitam, o elo da corrente se fortalece. Este elo é provido através da Vida Kung Fu, que por sua vez, é a geratriz do Kung Fu de cada praticante. Assim o elo forte da corrente une a todos, e a todos favorece. Isto é ter bom Kung Fu.



Meu Si Fu abraça Si Gung por ocasião de seu Aniversário, comemorado no mês de Março em São Paulo. Foto 2019.

domingo, 25 de agosto de 2019

Laços.


Si Fu e eu em seu escritório. Núcleo Barra da Tijuca.



Um dia, depois de uma conversa com meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, ele me perguntou:
-Você vai na Cerimônia de Baai Si de seus irmãos Kung Fu?
Eu respondi que sim, e com um entusiamo na resposta disse:
- Claro Si Fu, não perderia o Baai Si do Vladimir e do Thiago por nada.
 Lembro que Si Fu me respondeu:
- Roberto, não serão apenas eles a fazerem Baai Si.
Respeitosamente respondi ao meu Si Fu:
- Sim Si Fu, gosto de todos os meus irmãos, é que sou mais próximo deles dois.
Si Fu me respondeu:
- Sim, não significa menos pelos outros, mas sim mais por eles.
Já fazem alguns anos que este diálogo ocorreu e o guardo na memória com muito carinho. Meu Si Fu sempre me permitiu ser honesto na resposta, retirando o melhor dela, melhorando minha compreensão sobre meus próprios sentimentos.
  Este breve diálogo introduz bem o relato de Vida Kung Fu que faço hoje, através de alguns dos laços que criei, e aqui relato através da experiência com três irmãos Kung Fu, um pouco daquilo que vivemos juntos.

Quando iniciei a prática do Ving Tsun, no ano de 2003, meu objetivo era apenas um: aprender a lutar e me tornar o melhor possível. Com a convivência dentro do Mo Gun, ganhei muito mais do que procurava, e percebi como era pobre o meu objetivo. Uma das pessoa que ajudaram a acordar e acabar com esta minha fantasia, chama-se Vladimir Anchieta. Lembro de uma sessão de Siu Nim Tau em que eu disse que não lembrava da sequência da forma, e como era um hábito antigo meu, fazia flexões em lixa número sete (que servem para lixar barras de ferro) toda vez para me punir quando um objetivo marcial (tive passagem pelo Karate) se frustrava. Vladimir, homem de poucas, porém sábias palavras me disse:
-Depois das flexões, você lembrou da forma?
Respondi que não, e ele me disse:
-Então pratica a forma no lugar das flexões.
Começou ali, nossa amizade e a minha admiração por um irmão, que durante muito tempo chamei de homem de gelo, que não se abalava, nem durante as práticas mais duras, com golpes mais incisivos. Um homem de palavra, sempre cumpre aquilo a que se propõe, alguém a quem admiro e respeito, o pai da Valéria e do Daniel, meu irmão Kung Fu.




Vladmir Anchieta, no centro, entre mim e Thiago Pereira.



Este outro irmão é o caso clássico da cegonha bêbada, que entregou seu irmão no lugar errado. Uma afinidade imediata, desde quando me apresentou o Mo Gun quando lá pisei a primeira vez, ornamentado por bolas de gás coloridas, por causa da  comemoração do Aniversário do Si Fu. Fernando Nunes de Almeida Xavier, ou apenas Xavier como era conhecido na época, xará de X-Men, sem a cadeira de rodas, saía do bairro, berço do samba carioca, ( Madureira) de bicicleta, pedalando até o bairro de Jacarepaguá, onde ficava o Mo Gun. Criador do Dancing Biu Ji, aproveitava o ritmo do Funk para estilizar na forma de Dança o terceiro nível do Sistema Ving Tsun.
Sua percepção do Sistema, leva-o a fazer comentários que refletiam sua sensibilidade na percepção sobre o Ving Tsun ,um destes comentários lhe rendeu elogio do Si Baak Gung, Micky Chan.
Ficamos muito próximos, praticando juntos, e por várias vezes dormimos no Mo Gun. Quando íamos para casa, fazíamos o caminho a pé, eu ficava em Cascadura e ele ia até Madureira. Muito do meu Ving Tsun se alimentou neste caminho.




Eu e Fernando Xavier: Intervalo de prática Núcleo Barra da Tijuca.




Eu, ainda bem no início do Siu Nim Tau, certa vez chegando ao Mo Gun, ouvi um som que vinha do boneco de madeira (Muk Yan Jong), e lá no fundo da área de prática estava um menino magrelo, de camiseta sem manga e rabo de cavalo, batendo como se quisesse rachar o boneco ao meio. Como na época eu também era um cara "tarado" no sentido marcial da palavra, gostei do que vi.
Tempos depois estávamos eu e este jovem, dentro do Mo Gun, rindo muito ouvindo a versão satirizada da música Daileon, do seriado japonês Jaspion: "O cara tossiu/ o cara tossiu... Descobri que além de gostar de arte marcial de uma forma parecida com a minha, tinha a mesma linha do meu  humor.
Lá no passado, idos de 2003, era o "Pereira", hoje é o líder da Família Moy Fat Lei, Mestre Qualificado pela MYTMI, Thiago Pereira.
 Ele contou que certa vez nosso Si Fu disse-lhe: "Thiago você é um milagre do Ving Tsun. Você era um cara chato que só queria saber de luta".
Verdade. A palavra milagre provém de "miraculum" que significa "algo admirável". Posso dizer que a minha admiração por este meu irmão é proporcional à sua transformação. O Discípulo de número dois de nosso Si Fu, é Mestre de Ving Tsun, também versado em língua e escrita chinesa, Líder de uma Família Kung Fu no bairro do Méier, também foi meu orientador de Baai Si, além de me ajudar de muitas outras formas dentro da Família Kung Fu.




Eu (óculos escuros)  ao lado de Si Fu, observando Thiago Pereira executando o Muk Yan Jong.




Posso dizer que o Sistema Ving Tsun proporciona momentos que certamente não viveria em outro lugar. Faço deste relato sobre um pouco da minha trajetória através da convivência com alguns dos meus irmãos Kung Fu, um abraço fraterno à todos que caminham ao nosso lado. Si Fu sintetiza toda esta experiência, seu sentido e seu valor, em uma frase, uma das razões de ser do nosso Clã Moy Jo Lei Ou: Sigamos juntos!



Meu Si Hing Thiago Pereira e sua Família Kung Fu (Moy Fat Lei).

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Hai Tong.



Patriarca Moy Yat: "Kung Fu sem Hai Tong não é Kung Fu, Kung Fu que depende de um Hai Tong não é bom Kung Fu.




O pensamento chinês desde muito tempo reconhece a impossibilidade em se criar um padrão, algo que pudesse modelar a evolução natural de uma tendência. Um olhar atento, seja na direção do convívio em Sociedade, seja para aquilo que ocorre na Natureza, com ou sem a intervenção humana, nos leva a perceber como tudo, o tempo todo, varia. A migração dos pássaros, as ondas do mar, a agitação dos grandes centros urbanos, tudo, a todo tempo, está em constante variação de estado. Mesmo as mudanças mais lentas, não podem ser ignoradas, como nossa própria imagem variando no espelho com o passar dos anos.


Durante meu Baai Si: Si Fu lê meu requerimento de Discipulado. Ao fundo na foto, meu irmão Kung Fu e também Discípulo Rodrigo Moreira.



Como não é possível impedir a dinâmica deste todo nem sempre harmônico, é importante explorar ao máximo até onde vão as possibilidades de mudança, e fazer o melhor proveito disso.
Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho nos ensina que não devemos "forçar nada", que a figura do "herói que se esforça" é na realidade uma imagem que não corresponde à do melhor praticante de Kung Fu, pois, quanto menor esforço necessário para alcançarmos o resultado favorável, melhor nosso Kung Fu.

É na atenção que dedicamos aos processos, ou seja, de como as coisas são, e todas as etapas de transformação até à chegada do resultado, será exatamente neste "durante" que devemos atuar com atenção para o alcance do melhor resultado. Este processo deve ser respeitado, não deve ocorrer qualquer tipo de manipulação para forçar uma tendência, muito pelo contrário. É saber retirar proveito das condicionantes que são oferecidas e atuar com elas, e não contra. É como um surfista: ele não briga com a onda, mas entra em harmonia com ela, tirando o melhor proveito.

É o Hai Tong, fruto da Cultura Chinesa, que buscou esclarecer de que modo através da dedicação aos processos, um fenômeno poderia ser bloqueado ou favorecido. Desta forma se obtém, através das condicionantes preparadas, o resultado desejado.
A ideia que o Hai Tong traduz, é o que podemos chamar de Sistema de variação.




Si Fu caminha ao lado de Si Taai Gung  Moy Yat, nas proximidades da casa do Patriarca de nosso Clã.









domingo, 11 de agosto de 2019

O Pai do meu Kung Fu.


Entrego o chá ao Si Fu durante meu Baai Si. Símbolo de que meu Si Fu me aceita como Discípulo. Ao fundo na foto meu Si Hing e orientador na Cerimônia,  Líder da Família Moy Fat Lei, Thiago Pereira.





Um Si Fu (Mestre Pai) é aquela pessoa que conhece Kung Fu bem mais do que você, e em consequência disso, é alguém que nem sempre dirá aquilo que você quer ouvir, mas sempre dirá aquilo que você precisa.
Não é uma tarefa nada fácil falar de seu próprio Si Fu, sempre ficará faltando muito a dizer, afinal, se trata do Mestre de diversas outras pessoas também, e cada um percebe algo sobre ele com base na relação Si-To, algo individual. E como é uma relação para a vida toda, sempre se construindo, estou certo de que a cada dia, novas páginas se acrescentam no livro da relação. Hoje escrevo sobre um pouco do muito que meu Si Fu fez e faz por mim.
Posso dizer que quando comecei na Família Kung Fu, minhas ilusões em "lutar bem" se resumiam ao combate corporal, como se eu entrasse pela tela de Cinema para ser o cara que salvava a mocinha e batia no vilão, bem clichê de filme americano. Si Fu me mostrou com o Ving Tsun como combater diversas outras lutas.






Si Fu e eu durante o intervalo em um Seminário no Núcleo Barra da Tijuca.






Meu Si Fu me fez ver que fantasia quando se fala em luta, é suicídio. Que não se faz firula, coreografia, ou se tenta adivinhar o que o outro vai fazer. É exatamente na percepção sobre o outro, respeitando o movimento que a outra pessoa faz, estando aberto para a relação, que alcançaremos um resultado de qualidade. E aí veio para mim uma das minhas primeiras conclusões sobre o Ving Tsun: eu posso aproveitar este ensinamento para qualquer coisa na vida.
Aprendi também, algo que seria impensável para mim, sem antes ter recebido seus ensinamentos: eu não gosto de luta. Durante muitos anos fiquei repetindo como um mantra que adorava luta, e quando meu Si Fu me mostrou através do Ving Tsun alguns dos os reais desdobramentos possíveis em uma luta, percebi como eu estava sendo infantil. Hoje, consigo compreender a luta de uma forma real, sem fantasia, e guardo como um momento histórico meu dentro do Ving Tsun o dia que meu Si Fu me disse: "Roberto, você não gosta de luta".







Si Fu orienta os presentes em um Seminário realizado no Núcleo Méier.





Uma outra característica marcante em meu Si Fu, está traduzida em uma conhecida frase sua: "é preciso ter um bom coração e uma péssima memória". Meu Si Fu tem uma grande capacidade em zerar ofensas recebidas em prol de algo maior, que é desenvolver o Kung Fu das pessoas. Nem sempre ele recebe a gratidão que merece, nem sempre é compreendido, mas sempre tem as portas abertas aos que lhe procuram. Aprender a zerar e começar de novo, não é fácil, o próprio Si Fu já disse várias vezes, "isso é treinado" e o caminho que trilho no Kung Fu, espero, me conduza também nesta direção, afinal, é sem dúvida, um elevado estágio de desenvolvimento humano.






Si Fu concede um autógrafo com dedicatória a mim, no livro de sua autoria intitulado: "Tao do Surf, zen e a arte de pegar onda".




Meu Si Fu possui uma leitura sobre o Kung Fu admirável. Não posso deixar de salientar que admiro muito sua capacidade de interpretar os movimentos marciais, sua técnica e sua excelência em transmissão. Por diversas vezes, só foi preciso Si Fu dizer uma única frase, para que minha compreensão sobre algo ficasse aclarada, permitindo que eu analisasse sobre, e ampliasse meus horizontes, ao repensar sobre o tema.
Em todas as minhas postagens eu tenho apresentado momentos da minha relação de aprendizado com Si Fu e esta não é diferente. Digo hoje o que sempre disse em todos os meus escritos, porém desta vez, o farei textualmente:
OBRIGADO SI FU! SIGAMOS JUNTOS!






Autógrafo e dedicatória concedidos a mim por Si Fu. 





domingo, 4 de agosto de 2019

Atuar no invisível.



Eu durante prática sábado passado. Núcleo Barra da Tijuca.




Um bom Kung Fu consegue observar no detalhe. Onde poucos conseguem ver, naquilo que não é explícito, a lente do Kung Fu consegue perceber. É um olhar cuidadoso, desenvolvido, aguçado.
Certa vez, no intervalo de um treino, meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, deu um exemplo sobre este, atuar no invisível.

O Brasil sempre foi um celeiro de craques de Futebol, e o personagem em questão do nosso exemplo é o craque Romário. Si Fu certa vez nos disse:
"Todos falam que o Romário não vai ao treino. Ele mesmo já brinca com isto, fizeram até música falando disso. Falam que ele só quer ficar jogando futevôlei na praia. Vocês já pararam para perceber o quanto de esforço é jogar na areia e como também nível de domínio de bola para poder praticar este jogo. Ele consegue um bom resultado treino, se divertindo".



Praticando com meu irmão Kung Fu, Cleiton Meireles.



Um bom Kung Fu não age no barulho. Inclusive existe a frase "uma mão mente, e a outra diz a verdade" que ilustra bem que nem sempre fica claro para o outro a intenção do artista marcial, é preciso um olhar atento, além é claro de dedicação à prática para que a sensibilidade se desenvolva. O chute do Ving Tsun, é conhecido como "chute invisível", o corpo não se move muito para a sua execução, como ocorre em chutes clássicos de vários outros estilos de arte marcial.

Atuar no invisível não é esconder o que faz. Si Fu nos diz que quando um chinês quer se esconder ele vai para o meio da praça lotada. A diferença está na capacidade de percepção. No Ving Tsun por exemplo, praticamos todos juntos, mas o alcance, a percepção daquilo que se pratica, é individual. Nada se esconde porém será a capacidade de leitura de cada um que trará a luz sobre aquilo que se apresenta para todos. Sem essa percepção, mantém se invisível até que se desenvolva o Kung Fu o suficiente para que se perceba.



Conversa entre Cleiton Meireles e Guilherme de Farias. 


 

domingo, 28 de julho de 2019

Poder Pessoal


Si Fu orientando seus Discípulos. Núcleo Barra da Tijuca.




A tomada de consciência do praticante de Ving Tsun sobre sua destinação natural leva-o a reconhecer  a sua vocação e perceber que ela é a sua manifestação legítima. Este processo de auto conhecimento eleva a percepção, expandindo o seu olhar cuidadoso para além de seus interesses particulares, alcançando aos que estão à sua volta com uma percepção cuidadosa, que no Ving Tsun chamamos de zelo. Este processo conduz a uma aptidão conhecida como poder pessoal.
A força que atua para a eficácia do poder pessoal está nas coisas e não no praticante. Ela ocorre dentro de uma espontaneidade, uma tendência que se manifesta. É nesta manifestação que o praticante atua, favorecido pelo potencial que a situação oferece, florescendo seu poder pessoal.





Relatando minha experiência à época, quando entrei na Família Kung Fu. Ao meu lado me observando, meu Si Hing e orientador à época, Fernando Xavier.




Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho sempre nos orienta a aderirmos as proposições uns dos outros, na medida em que uma ideia se transforme na ideia de todos, onde a abertura para o outro seja capaz de gerar benefício para todos. Por isso é uma perda de tempo para o praticante de Ving Tsun buscar sucesso pessoal dentro do meio marcial em detrimento do benefício dos que com ele praticam. É exatamente o contrário que assegura o triunfo do praticante, ou seja, ele se desenvolverá mais e mais a partir do momento que naturalmente participa do maior número possível de eventos promovidos em prol de todos, pois estará conduzindo e sendo conduzido por fatores favoráveis à sua transformação.
O poder pessoal decorre de um processo natural, as situações se apresentam e ele aflora por via de consequência. E os cenários que se apresentam, dos mais variados, tornam possível o efeito ser verdadeiro. Enfim, agindo com zelo, o praticante de Ving Tsun desenvolve a aptidão de saber como deixar advir o efeito desejado, ou seja, o seu poder pessoal.





Eu em momento de intervalo de prática no Núcleo Barra da Tijuca. 






domingo, 21 de julho de 2019

Há luz na ponta do bastão.


Roberto Viana e Guilherme de Farias: Intervalo na Prática de Luk Dim Bon Gwan. Núcleo Barra da Tijuca. 



Ter objetivos na vida é algo comum a todo ser humano. Afinal quem nunca sonhou em conquistar algo? Essa tem sido talvez o desejo mais presente na História da humanidade.
Desde sempre o homem tem lutado para tornar real suas aspirações: seja por amor, poder, prestígio, não importa, toda e qualquer coisa que se almeje passa necessariamente por três pontos: a preparação, o percurso e a chegada.
Quando preparo minha ação, devo reunir tudo aquilo que me favoreça a executar; quando executo, há um percurso que deve ser materializado de acordo com aquilo que preparei antes, ou seja, uma consequência da qualidade da minha preparação e finalmente, a execução deve ser o reflexo de todo o preparo, de toda energia, que concentrei no início, mantive no percurso, e se materializou no ponto que alcanço. A energia não deve se dissipar pelo caminho, pelo contrário, a resposta final deve ser o resultado de tudo aquilo que se fez antes.
O Nível Superior Intermediário do Sistema Ving Tsun, Luk Dim Bon Gwan, é para mim uma grande inspiração para a vida. A posição para preparar o disparo, a base estruturada, a posição das mãos, a precisão no disparo, dirão a você como bastão chega na ponta, com ou sem energia. Muitas vezes nos preparamos para algo, mas o nível de dedicação não nos conduz ao sucesso. Este Nível tem falado muito a mim sobre preparar, ler a preparação, permitir-se fracassar e tentar de novo. A cada tentativa um olhar atento para aprender como tirar melhor proveito de uma arma longa, que deve ser precisa na execução.




Praticando com o Ving Tsun Gwaan. 


Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, me disse que "arma não é para criança; no bastão deve-se ter uma outra atitude mental". Sempre penso na minha vida quando ouço meu Si Fu me orientar, e esta atitude mental que no bastão devemos ter, na vida, em tudo que fazemos, não deve ser diferente.
Quantas vezes fracassamos por termos preparado tudo com a devida atenção? Quantas vezes culpamos a terceiros por nossos próprios fracassos? Quantas vezes inventamos desculpas mirabolantes só para não reconhecermos que se algo deu errado, há sim sempre uma parcela de contribuição nossa nisso?

No Gwan não tem desculpa. Lembrando uma frase do Si Fu: " Roberto você só tem um tiro. Deve gastar (a energia) tudo!"

Estou no início e completamente fascinado por este Nível. Ele fala para mim, sobre o que devo fazer com a minha vida de uma forma muito especial. Ele tem me ajudado a apontar a "bússola das minhas ações" para a direção correta. Sempre soube o que deveria fazer, mas sempre inventei desculpas. No Gwan não há desculpas, e você deve ser preciso, determinado. Dentro um cenário de combate simbólico, trata-se de apenas um tiro, ou você mata, ou você morre. E exatamente esta gravidade no campo do simbólico que este nível me leva a refletir, que me ajuda a incorporar a necessidade de em preparar adequadamente o cenário de tudo aquilo que pretendo na vida, afinal o Gwan fala em projetar, e mostra na prática, que a qualidade dos nossos atos está totalmente ligada ao preparo e a tudo o que ocorreu durante até chegarmos "à ponta do bastão". Não há que se prender à sorte ou fatores externos. Se eles colaboram, aproveite-os também, porém o preparo, precisão e atitude diante do disparo é que vão determinar que energia chega à ponta do bastão, assim como chega como Kung Fu para sua vida.

 

Meu irmão Kung Fu, Guilherme de Farias orientando sobre a linha central no Ving Tsun Gwaan.

domingo, 14 de julho de 2019

Sobre experiências.




 Si Fu, Roberto Viana, Thales Cabral e Pedro Ivo. Núcleo Barra da Tijuca 2019.



Certa vez, meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, disse para mim: "Roberto, não há experiência boa ou ruim. O que há é a experiência e o que você consegue extrair dela".
  A vida é um processo dinâmico, e como tal, nos apresenta diversos cenários os quais teremos momentos felizes e outros não. A questão que levanto aqui é a de como um praticante de Kung Fu reage, não quando tudo parece tranquilo, mas quando tudo parece dar errado.
Desde quando iniciei a prática de Ving Tsun ouço a máxima "relaxar na crise", e embora fosse corretamente transmitido o termo, a medida em que o tempo passa e o Kung Fu amadurece, esta assertiva vai ganhando contornos cada vez mais detalhados.
Observando pelo lado mais duro, aquele onde as coisas parecem sempre dar errado, é preciso avaliar qual a participação que temos para que elas assim ocorram. Um praticante de Kung Fu não deve perder seu tempo colocando-se na posição de vítima, ou culpar os outros por seus infortúnios. Sei por experiência própria o quanto isto é difícil assumir esta postura e ao mesmo tempo o ganho que esta consciência traz como posicionamento diante de crises.
Diferente de uma inação, relaxar em momentos difíceis ajuda a pensar melhor sobre qual saída encontrar. Diante do volume de problemas, por mais que isso entristeça qualquer ser humano normal, ficar sempre triste por conta deles pode se transformar em um vício perigoso, conduzindo até a um estado depressivo.


Eu durante intervalo de prática. Núcleo Barra da Tijuca, ano 2018.





O conjunto de pressões impostas à todos na sociedade moderna, requer que o indivíduo desenvolva a capacidade de resposta em tempo e forma adequadas. Não cabe falar em experiência boa ou ruim, não perde-se tempo com isso. O que há é a vida acontecendo e o que se pode extrair de ensinamento daquilo que se vive.
E para ajudar o praticante a encontrar suas respostas com base em seus valores, é que o Sistema Ving Tsun promove Vida Kung Fu. Apresentando os mais variados cenários de crise ao praticante, este tem a oportunidade de, em um ambiente controlado, e orientado por seu Si Fu,  encontrar respostas para situações em que, talvez sozinho e sem orientação, respondesse de forma não muito favorável ou até, nem encontrasse uma resposta. Na Vida Kung Fu, com a vivência de cenários, adquirimos um repertório para uma melhor reflexão sobre nossas experiências, e como extrair o melhor possível, de cada uma delas.




Si Fu orientando seus Discípulos durante Seminário de Alinhamento Teórico do Programa Fundamental. Foto 2019.

domingo, 7 de julho de 2019

O que nos faz ser Família.



Si Fu e Si Mo com alguns de nossos irmãos Kung Fu, após efeméride sobre o natalício de Patriarca Moy Yat.




Meu Si Fu, Mestre Senior Julio Camacho, valoriza a união de todos nós, seus Discípulos. Em todos os Eventos ele conta conosco para, ao estarmos juntos, possamos crescer igualmente juntos. O Kung Fu, como um processo de desenvolvimento humano que é, aperfeiçoa-se com a troca de experiências, sendo fundamental a reunião de todos. O Si Fu é o elo que une  todos os praticantes de Ving Tsun, é quem irá através de seu conhecimento, alimentar o Kung Fu de cada um, e a partilha entre todos, fortalece o espírito da Família Kung Fu.

Roberto Viana, Vladmir Anchieta e Luciano Freitas (da esquerda para a direita). Dia de prática no Núcleo Barra da Tijuca.




Uma Família Kung Fu é uma escolha, você decide estar lá e conviver com pessoas de origens diferentes, formas de pensar diferentes, mas que se unem através de um objetivo comum que é desenvolver seu Kung Fu. Este objetivo, orientado por nosso Si Fu, faz com que, pessoas que talvez jamais se encontrassem na vida, tenham a oportunidade de conviver e formar laços para toda a vida.
Não é fácil a convivência dentro de um Mo Gun (casa de guerra), o que não significa que seja ruim, pelo contrário. É na dificuldade que o cenário proporciona que temos a oportunidade para crescer, enfrentar nossas fraquezas, e junto com nosso Si Fu e irmãos Kung Fu, superá-las ou pelo menos aprender a conviver com elas sem que elas nos façam sofrer tanto.



Eu ao lado do Diretor do Núcleo Barra da Tijuca, meu irmão Kung Fu, André Guerra.


Na prática "emprestamos" nosso próprio corpo para ser golpeado e assim servir de material de estudo para nossos irmãos, e eles fazem o mesmo por nós. Isso gera um grau de responsabilidade para com o outro e de confiança nele, que começamos a desenvolver relações e vínculos que dificilmente teríamos a oportunidade de desenvolvermos em um outro lugar.
Por tudo que unidos desenvolvemos e adquirimos, sempre juntos, a palavra Família traduz adequadamente o grau de relação que desenvolvemos com a prática de Ving Tsun dentro do Clã Moy Jo Lei Ou.



Eu ao lado do meu irmão Kung Fu, Clayton Meireles.